Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CDU Valongo

Página informativa sobre a atividade da CDU no concelho de Valongo.

AF Ermesinde - Declaração de Voto

14.03.08

Na perspectiva de que seriam realizadas algumas medidas e actividades em benefício da população, do Ambiente, da Cultura, da cidade enfim, constantes dos próprios orçamentos ou neles inseridos por proposta nossa, os eleits do PCP viabilizaram nos dois primeiros anos do actual mandato, os orçamentos e planos apresentados à discussão e votação pela maioria na Junta. Procuramos também ter uma atitude construtiva nesta autarquia, apesar dos nossos detractores estarem sempre a repetir que estamos sempre no contra. 

 Ao contrário do que possam dizer os que analisam estas questões e acções de costumada e velha e revelha má-fé, a viabilização dos orçamentos pelos eleitos da CDU na Junta e na AF, de forma sempre coerente e concertada, não foi baseada em qualquer negócio político ou muito menos na concordância acrítica com o conteúdo dos documentos que foram propostos à nossa consideração.

Fomos, entretanto, constatando, como pouco antes do fim do ano passado aqui tive ocasião de dizer, que a maior parte e as mais significativas das promessas feitas pelo PSD não seriam concretizadas. Os motivos, já de si escassos, para a viabilização dos orçamentos deixaram, por isso, de existir, por parte da CDU. E assim a proposta de orçamento e plano da Junta para 2008 foi rejeitada no executivo também com o nosso voto.

Criou-se o impasse de todos conhecido, que apenas foi ultrapassado por concertação de uma decisão política dos partidos representados neste órgão autárquico.

 

Concordamos em não inviabilizar o orçamento e plano apenas no quadro do comprometimento do PS e do BE nesta viabilização, através de um voto de abstenção, tendo sobretudo em conta:

1) a necessidade de concluir as obras do edifício da Junta – que, até agora, o PSD não fez apenas porque não quis, uma vez que tem dotação orçamental desde o início do mandato para tal; e devo dizer que pensamos que não vai fazer senão na última, ou seja, no ano de eleições;

2) a necessidade de assegurar a regular gestão deste órgão autárquico;

3) a necessidade de contornar a eventual tentação de dramatização da situação da Junta por parte do PSD, bem como as manobras, já indiciadas em mais do que uma ocasião pelos membros daquele Partido neste órgão, de que deixariam cair  iniciativas importantes da Junta durante o ano de 2008 (sem terem em conta que isso prejudicaria em exclusivo a população);

 4) a necessidade de chamar o PS às suas responsabilidades enquanto Partido da Oposição com a maior representação na Junta e na AF, responsabilidades que, compreendemos lhe seria mais cómodo não assumir, já que tal faz parte da sua estratégia.

Em suma, embora contribuindo para não inviabilizar o orçamento e plano em apreciação, demarcamo-nos inteiramente, quer do seu conteúdo geral, quer dos procedimentos e prática política e administrativa da maioria no executivo da Junta. Adicionalmente, recordamos que se trata de uma posição de carácter estritamente conjuntural, decorrente da alteração das circunstâncias políticas locais, que, portanto, não condiciona qualquer posição futura da CDU neste órgão autárquico.

2 comentários

  • Sem imagem de perfil

    carlos basto 26.03.2008

    De carlos basto a 26 de Março de 2008 às 17:46
    Sr. Provedor. apenas referi factos as suas provocações gratuitas não me irritam obrigado.

    Sr. Eu : é verdade que o bloco de esquerda não aceitou fazer parte do executivo por opção, é um principio do BE a nível nacional não fazer parte de executivos com maioria de direita, e a direita nas autarquias são o PSD/CDS assiste-nos esse direito, estamos na política não para nos servimos dela, mas para servirmos as populações e os nossos eleitores.

    Não pretendo eu nem o bloco de esquerda, ser coitadinhos do que quer que seja, mas a verdade é que pelo facto legitimo da nossa opção (não fazer parte do executivo) não tínhamos de verdade conhecimento dos documentos, e como não assinamos cheques em branco nem tão pouco concedemos o beneficio da duvida, quando não conhecemos ou temos duvidas do que conhecemos o que á posterior viemos a constatar votamos coerentemente contra.

    Sr. Eu, se reparou eu não fiz um comentário ao conteúdo das declarações de voto, não porque não tivesse motivos para o fazer, apenas não quis alimentar um debate das posições político e ideológico do PS e da CDU/PCP, sobre o que são ou devem ser os Orçamentos e planos duma autarquia, neste caso da maior autarquia do concelho, que segundo novos dados não sei se fiáveis têm uma população de 62 mil habitantes.

    Sr. Eu, li e reli as possíveis grandes diferenças de uma e outra versão, e confesso não vi nada de diferente, as declarações de voto de ambos os partidos lidos na assembleia de freguesia a que eu assisti, dão disso mesmo conta. Se houvessem grandes diferenças nas versões como refere, não vejo razão para não votarem a favor.
    Por outro lado está ademetir que os compromissos entre o PSD/CDU foram desde pelos menos 2006 violados já que você sabe também quanto eu, que mais que um compromisso havia uma coligação para os orçamentos e planos entre estes dois partidos. E se entende agora que com a entrada do PS na corrida os compromissos vão ser respeitados?, Eu respeito a sua analise, mas permita-me que tenha as minhas duvidas.
    O que fiz foi um reparo critico ao comportamento sem considerar quem são os maus ou os bons da fita. Fiz outro reparo ao qual não refere, que é a correcção da posição do BE nas reuniões havidas para o acordo sobre orçamento e plano. E gostaria que essa correcção fosse feita, porque entendo que foi um erro e não uma medida de má fé,
    Um abraço amigo, Carlos basto
    peço desculpa mas este meu comentário por engano meu foi parar a um lugar do vosso blog. que nada tem haver. Carlos basto
  • Comentar:

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.