Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

CDU Valongo

Página informativa sobre a atividade da CDU no concelho de Valongo.

Em Campo, Junta PS-PSD impõe aumentos brutais à população

25.02.06
Ao contrário daquilo que querem fazer crer, dizendo-se adversários no Governo e na Câmara de Valongo, PS e PSD entendem-se na Freguesia de Campo para impor aumentos injustos na nossa terra.
Em 27 de Novembro de 2005, o Presidente da Junta PS-PSD de Campo votou contra na Assembleia Municipal de Valongo taxas da Câmara, mas a mesma Junta PS-PSD aprova e faz aprovar na Assembleia de Freguesia de Campo, em Dezembro de 2005, aumentos muito mais gravosos.
Assim, enquanto a população trabalhadora vê - quando vê - os seus vencimentos aumentados em 2 ou 3 por cento, a Junta PS-PSD em Campo aprova aumentos das taxas que variam entre 50 a mais de 90 por cento. Num caso ou noutro, os aumentos chegam a atingir mais de 300%!

NA OPOSIÇÃO DIZEM UMA COISA, MAS NO PODER FAZEM OUTRA!

Enquanto a CDU fez parte da Junta, não permitimos que os aumentos fossem superiores aos previstos pela inflação. Mas, como nós éramos um obstáculo às suas graves intenções, PS e PSD entenderam-se para afastar da Junta de Freguesia a CDU e aplicarem uma política tão lesiva para a população como é aquela que agora está em aplicação.
E, para que não fiquem dúvidas, esclarecemos a população, fornecendo um exemplo concreto: o aluguer de sepulturas no cemitério passa de 8,70 euros, ”1640$00”, para 15 euros, “3.000$00”, ou seja, cerca de 75% de aumento na renda das campas. É mesmo para castigar quem não quis ou não as pode comprar!
Mas a mais importante descoberta desta Junta PS-PSD está no seguinte: quem, aquando da sua morte, não estiver recenseado, vai ter de pagar, depois de morrer, 139 euros de multa. Só não se sabe se o morto vai ter de mandar do outro mundo o dinheiro em cheque ou se vai ter que ir pagar o próprio à Junta depois de morrer. Ou ainda se o poderá fazer através de algum bruxo, nomeado para o efeito. É caso para dizer: com uma Junta assim, nem se pode morrer descansado.

CDU/Campo