Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CDU Valongo

Página informativa sobre a atividade da CDU no concelho de Valongo.

Um balanço da intervenção da CDU nas Autarquias de Valongo: análise desenvolvida na 6ª Assembleia da Organização de Valongo do PCP

23.03.06
Desde 2002, a intervenção autárquica do PCP e da CDU assistiu a um reforço significativo, alargando o seu horizonte de preocupações e iniciativas e conseguindo envolver um número superior de camaradas e amigos na discussão dos problemas locais e no desenvolvimento das orientações políticas e do trabalho junto das populações. Sem descurar a importância de outros factores, como a situação social e política nacional e concelhia ou a evolução positiva da imagem pública e dos resultados eleitorais do Partido, o reforço da votação e das posições da CDU nas Eleições Autárquicas de Outubro de 2005 reflecte o aprofundamento do trabalho e o reforço da notoriedade da intervenção autárquica do Partido, dos seus eleitos e activistas.

Da vasta intervenção desenvolvida desde 2002, destacam-se os seguintes elementos:

1. A qualificação do trabalho desenvolvido na Assembleia Municipal durante o mandato autárquico que decorreu entre 2001 e 2005, que se estendeu por diversas áreas temáticas, com destaque para as tomadas de posição e propostas apresentadas a propósito de questões como a privatização dos SMAES, a colocação de parquímetros nas freguesias de Valongo e Ermesinde, a introdução de portagens no IC 24, a situação do Sporting Clube de Campo e de outras colectividades, a falência de empresas sedeadas no concelho ou o próprio funcionamento dos órgãos autárquicos, numa perspectiva de fiscalização e denúncia das arbitrariedades e medidas negativas da maioria do PSD.

2. A presença de um eleito da CDU no executivo da Junta de Freguesia de Campo no mandato autárquico que decorreu entre 2001 e 2005, ao qual foram atribuídas responsabilidades e áreas de intervenção específicas, com destaque para o trabalho desenvolvido junto das escolas e das colectividades locais.

3. A presença de um eleito da CDU no executivo da Junta de Freguesia de Ermesinde no mandato autárquico que decorreu entre 2001 e 2005, o qual, ainda que sem atribuições específicas, desenvolveu um vasto trabalho de denúncia e proposta, contribuindo para o reforço da notoriedade da intervenção da CDU e do Partido na freguesia.

4. O trabalho desenvolvido nas Assembleias de Freguesia de Campo e Ermesinde, nesta última detendo a Presidência da Mesa, com intervenções bem preparadas e sempre em prol dos interesses das populações.

5. O crescimento do número de tomadas de posição públicas: contra a privatização dos SMAES e as taxas sobre a água, contra a colocação de parquímetros nas ruas de Ermesinde e Valongo, pela solução do problema do campo de jogos do Sporting Clube de Campo, em defesa do reforço dos transportes e da acessibilidade ao lugar da Abelheira (Valongo), sobre a situação dos centros de saúde do concelho, contra a construção de prédios no Parque Urbano de Ermesinde, sobre as comemorações do 25 de Abril, a criação do Conselho da Cidade em Ermesinde ou a criação de uma Casa da Juventude no edifício do antigo cinema, sobre os incêndios florestais e em defesa da reflorestação das áreas ardidas, pela criação do Parque Natural da Serra de Santa Justa, entre outras.

6. O reforço do trabalho com a imprensa, através de uma mais ampla e sistemática divulgação das posições e iniciativas do Partido e da CDU no plano da intervenção autárquica.

7. A dinamização e participação em movimentos locais e o reforço do trabalho junto das populações, que levou, por exemplo, à constituição do movimento Valongo Contra os Parquímetros, na sensibilização pública para a importância de criação do Parque Natural da Serra de Santa Justa, na mobilização dos moradores da zona da Abelheira ou no envolvimento das populações na discussão e resolução de diversos problemas da freguesia de Campo.

8. O aprofundamento da articulação com os eleitos do PCP na Assembleia da República, como o comprovam as visitas realizadas pelo deputado Honório Novo ao concelho (Centro de Saúde de Campo, campo de jogos do Sporting Clube de Campo, Abelheira) e as propostas relativas aos problemas do concelho apresentadas no Parlamento, designadamente aquando das discussões em torno das rubricas e verbas a incluir no PIDDAC.

9. O reforço dos momentos de reflexão e discussão interna a propósito da intervenção autárquica e do trabalho dos eleitos da CDU: realização de reuniões regulares da Coordenadora da CDU no concelho (especialmente no último ano), realização de dois Encontros da CDU/Valongo, em 2003 e 2005, abertos à população em geral, realização de iniciativas de reflexão e debate sobre os problemas locais e temas específicos.

A evolução positiva do trabalho do Partido no plano autárquico terá sido, como vimos, um dos factores responsáveis pelo reforço da votação da CDU nas eleições de Outubro de 2005, que se traduziu na conquista de importantes posições (num acréscimo de representação) nos órgãos autárquicos do concelho. Digno de destaque é todo o trabalho que precedeu a campanha eleitoral, bem como o carácter planeado e sistemático desta. No último ano, a intervenção do Partido e da CDU no plano autárquico alcançou um nível substancial de profundidade e visibilidade que deverá servir como referência para o trabalho futuro. O último ano foi de intensa actividade, constituindo porventura o período de maior vigor da intervenção autárquica do Partido e da CDU no passado recente. Dados há que merecem particular destaque:

1. A criação de um e-mail e de um blog, qe funcionam como elementos de divulgação pública da intervenção autárquica do Partido e da CDU e como instrumentos de gestão da informação e de relacionamento com a imprensa e com a população, contribuindo para o reforço da transparência dos processos de tomada de decisão.

2. A melhoria do trabalho de agitação e propaganda e de divulgação das iniciativas da CDU, com a edição regular de boletins e comunicados.

3. A definição e divulgação atempada (em Maio de 2005) das grandes linhas de intervenção da CDU nas autarquias do concelho, bem como dos primeiros candidatos à Câmara e à Assembleia Municipal, factos que contribuíram para o envolvimento precoce dos camaradas e amigos do Partido na preparação das eleições e para a mobilização dos activistas no vasto trabalho desenvolvido nos meses subsequentes a essa divulgação.

4. A realização de diversas reuniões de trabalho, que permitiram a definição atempada dos eixos de intervenção da CDU em diversas áreas (ambiente e ordenamento do território, educação, cultura, desporto, habitação e acção social, etc.) e que redundaram na elaboração de documentos de referência que permitem orientar a intervenção autárquica do Partido no curto e médio prazo.

5. A realização de diversas iniciativas de contacto com as populações, não só no período que precedeu a campanha eleitoral, mas também durante e depois desta: Centro de Saúde de Ermesinde, empreendimentos de habitação social do concelho, visitas e reuniões em colectividades locais, Complexo Desportivo dos Montes da Costa, etc.

6. A realização de conferências de imprensa (sobre Ambiente e Ordenamento do Território, sobre Desporto, sobre Cultura, sobre o Orçamento e GOP da CMV para 2006) e a edição de diversos comunicados e notas à imprensa.

7. A preparação mais rigorosa das tomadas de posição da CDU acerca dos principais dossiês concelhios e uma mais sistemática preparação da intervenção dos eleitos nas reuniões dos órgãos autárquicos.

8. A redacção de relatórios das reuniões dos órgãos autárquicos e sua divulgação pública; o reforço da preocupação com a divulgação junto das populações das tomadas de posição e propostas apresentadas nessas reuniões (edição de cartazes e documentos).

O trabalho desenvolvido desde a última Assembleia de Organização, em particular no último ano, bem como as importantes responsabilidades assumidas nos órgãos autárquicos do concelho (designadamente na Assembleia Municipal, onde a CDU detém a Presidência da Mesa), deverá ser valorizado pelo Partido como referência para a intervenção futura, que deverá continuar a basear-se em princípios claros:

- a ligação às populações e aos seus problemas como factor importante de identificação com as principais aspirações e necessidades locais;

- a procura da dinamização da luta e das reivindicações das populações, dos seus movimentos e organizações, o apoio e suporte à sua intervenção e propostas;

- a permanente consciência de que, em particular nas situações de minoria, a actividade e intervenção nos órgãos e nas suas reuniões vale politicamente sobretudo pelo conhecimento e expressão pública que dela se fizer junto da população, das organizações e entidades directamente interessadas;

- a reforçada necessidade de uma regular informação às populações como condição indispensável para divulgar as iniciativas, trabalho e propostas realizados nos órgãos, sem a qual a sua utilidade e eficácia se vê prejudicada ou eliminada;

- a postura combativa perante todas as posições e medidas contrárias aos interesses das populações e dos trabalhadores (em particular dos trabalhadores das autarquias) e, simultaneamente, construtiva face a todas as propostas e soluções que melhor respondam aos problemas locais.

4 comentários

Comentar post