Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

CDU Valongo

Página informativa sobre a atividade da CDU no concelho de Valongo.

Na Assembleia Municipal de Valongo: CDU faz aprovar recomendação sobre a Ponte dos Arcos, em Campo

01.07.10

Atenta aos problemas do património histórico e edificado concelhio, a CDU interveio na Assembleia Municipal de Valongo apresentando uma recomendação relativa à situação e necessidade de intervenção urgente na conhecida Ponte dos Arcos, situada na freguesia de Campo. A recomendação foi aprovada por unanimidade. A intervenção do eleito da CDU na Assembleia Municipal de Valongo, Adriano Ribeiro, foi a que abaixo se transcreve.

 

Desde tempos imemoriais, existe na freguesia de Campo um aqueduto, a que o povo sempre chamou - e chama - a Ponte dos Arcos.

E dizemos imemoriais porque, depois de várias diligências (que admitimos não esgotadas), confirmamos não haver memória nem registo da data de construção da Ponte dos Arcos, fosse no século que fosse.

Apesar dos muitos contos e lendas que são atribuídas à sua utilidade e sobre o que está na base da sua origem, não confirmados documentalmente por ninguém até aos dias de hoje, o que parece não deixar dúvidas a ninguém é que a razão da sua construção está ligada ao processo de regadio dos campos da margem direita do rio Ferreira, que se iniciava em Ponte de Ferreira e se estendia até à Agra de Além, situada na mesma margem. E à Agra de Retorta e Cortinhais, na margem esquerda do mesmo rio. Mas, neste particular, só possível pela existência da Ponte dos Arcos, que permitia às águas o atravessamento de margens a uma cota tão desnivelada.

Aqui, sim, é que não restam dúvidas, dada a existência de inúmeros testemunhos vivos (a Ponte dos Arcos deixou de ter aquele fim há apenas cerca de 40 anos): a Ponte chegou até fins dos anos 60, princípios dos anos 70 do século vinte, cumprindo uma importante função social - levar a água aos campos que dela precisavam, contribuindo assim para o desenvolvimento de uma terra que muito dependente estava do rio.

Mas é quase sempre assim; apesar da sua grande importância e do contributo que deu à sua terra, hoje já pouca gente da sua terra lhe dá importância alguma.

Ameaça iminente de ruir, perigo permanente para quem, ainda a pé e transgredindo, se atreve a atravessá-la, desleixo e abandono daquilo que qualquer simples aldeia, vila ou cidade normalmente se orgulharia: é o estado a que lamentavelmente tem sido deixada a Ponte dos Arcos, na Freguesia de Campo.

Nesta breve e possível abordagem sobre a vida e uma perspectiva de ameaça de morte da Ponte dos Arcos, em nome da CDU e nesta Assembleia Municipal, faço aqui um apelo e recomendação.

Que o pelouro que superintende o património histórico tome as medidas necessárias junto do Governo e do Ministério respectivo para a classificação adequada daquele imóvel histórico e faça o que estiver ao seu alcance para evitar a ruína e até mesmo a  tragédia, que, quanto a nós, pode estar iminente - e antes que seja tarde de mais.

 

Valongo, 28 de Junho de 2010.

A Coligação Democrática Unitária/Valongo