Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CDU Valongo

Página informativa sobre a atividade da CDU no concelho de Valongo.

Somos umas bonitas flores

08.06.06

Ontem decorreu mais uma reunião da Junta da Freguesia de Ermesinde.



Antes da ordem do dia, a eleita da CDU questionou o Sr. Presidente sobre o prazo de entrega do abaixo-assinado relativo às condições da Estação de Ermesinde e sobre a forma como este seria entregue à REFER. A opinião do Sr. Presidente foi que o prazo seria alargado até ao final deste mês e que o abaixo-assinado seguiria com um ofício via correio.



No que concerne ao problema do estacionamento na R. da Índia Portuguesa, a eleita da CDU foi de opinião contrária a Artur Pais, dizendo que a situação não se resolve com a passagem de multas, mas sim com uma intervenção profunda em toda aquela zona, cujo processo de degradação tem sido notório. A colocação das ruas com um só sentido e o arranjo do estacionamento em espinha poderiam ser soluções fáceis e rápidas de implementar.



Seguidamente, a eleita questionou o Sr. Presidente sobre quando seria discutido o programa de actividades para o Dia da Cidade, o qual deverá ser definido o quanto antes, de forma a que a divulgação da iniciativa seja atempada e eficaz.



A ordem de trabalhos para a reunião era extremamente pobre, dando a ideia que nesta cidade não existem problemas, ou então que os senhores do PSD não conseguem encontrar soluções. O único ponto da ordem de trabalhos, para além da ratificação dos concursos de auxiliar administrativo e coveiro, era "Informações do Senhor Presidente". Neste ponto, os elementos do Executivo foram informados do seguinte: a SOCCER pretende oferecer à Junta um moinho situado nas margens do Leça, cuja reparação seria por conta da Junta; as Águas de Valongo, segundo o que nos foi dito, irão proceder à limpeza (não confundir com despoluição) do Rio Leça.



À medida que iam sendo dadas as informações, começou a ser claro uma ideia que vem a ser seguida pelo PSD na Junta. Para o PSD, o Executivo é constituído por 3 elementos, que decidem sem dar cavaco a ninguém; os restantes elementos estão lá para ouvir informações e para alindar a mesa de reuniões: são “umas bonitas flores”. Para exemplificar esta situação, lembremos que, sem dar cavaco a ninguém, os três elementos do PSD reuniram e decidiram que irá existir um vigilante nocturno na sede da Junta, estes mesmos que noutra reunião “informaram” os presentes que um dos elementos seria orientador de um estagiário de informática na Junta.



Em resposta à questão sobre o Dia da Cidade, o Sr. Presidente referiu que “já está tudo decidido”: vamos ter a Praça da Alegria a fazer um directo para Ermesinde (ainda em fase de confirmação), espectáculos com a fadista Gisela, a Associação Académica e Cultural e o Rancho da Casa do Povo. Ficamos satisfeitos por o Sr. Presidente tomar a iniciativa de fazer alguma coisa, mas continuamos a verificar que o Sr. Presidente não conhece as suas funções, as suas limitações e o porquê do Executivo ser constituído por 7 elementos e não por 3. O seu apetite de tirano é alimentado, em muitas ocasiões, pelo seu colega de partido, que continua a rejeitar qualquer tipo de crítica, mostrando uma arrogância sem precedentes e uma falta de humildade para reconhecer que as suas propostas (neste caso, as actas) podem ser melhoradas.



Ficou por agendar a discussão já muito reclamada acerca do mercado e da terceira fase de construção do edifício da Junta.



Sónia Sousa referiu que, se tal situação continuar, terá de, juntamente com a restante oposição, convocar uma reunião extraordinária. Esta situação apenas deverá acontecer, segundo a nossa eleita, em último recurso. A eleita lembrou ainda que a discussão destes assuntos é do interesse dos Ermesindenses, logo deveria ser do interesse de todo o Executivo. Infelizmente, o PSD parece pouco interessado no que realmente interessa, estao os seus eleitos mais preocupados com conduzir a Junta ao sabor do vento, sem ideias e sem rumo.



No final da reunião, o Sr. Presidente tentou fazer algo espantoso, que foi tentar impedir o jornalista de "A Voz de Ermesinde" de tomar anotações após o final da reunião, dizendo “já acabou a sessão, logo não poderá falar sobre isto no seu jornal”. O "isto” a que o Sr. Presidente se referia era a discussão entre um elemento do público e um dos elementos do Executivo e a forma abrupta com que este senhor tem terminado as reuniões e a forma pouco digna como as tem conduzido.



Este é o relato que se pode fazer de uma reunião cujo conteúdo pouco contribuiu para a melhoria das condições de vida da poulação de Ermesinde.

5 comentários

Comentar post