Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

CDU Valongo

Página informativa sobre a atividade da CDU no concelho de Valongo.

Moção apresentada pela CDU na Assembleia de Freguesia de Campo

22.07.08

Moção apresentada pela CDU na Assembleia de Freguesia de Campo sobre os brutais e injustos cortes nas reformas dos ex-trabalhadores da indústria de extracção da ardósia

 

A freguesia de Campo, como por todos é conhecido, foi e é zona de indústria de extracção de ardósia (lousa).

O progresso da tecnologia levou a que a substituição do homem por modernos equipamentos permita que, no presente, a indústria de extracção e transformação de ardósia não tenha qualquer comparação com um passado não muito distante, em que o extrair e o transformar a lousa era tarefa feita a braço e em condições sub-humanas, que levaram à ruina e à morte prematura, através da terrivel silicose/«tuberculose» tantos homens e mulheres da nossa terra, para além dos efeitos que ainda hoje se fazem sentir em trabalhadores das minas daqueles tempos, que, apesar de todas as dificuldades próprias e inerentes àquela profissão, ainda vão resistindo.
Foram gerações envolvidas num processo que, para uns, era o ouro negro e, para outros, era a negrura dos míseros salários e o verem-se abandonados ao mais pequeno sinal de fraqueza sem uma reforma minimamente digna.
Apesar das dificeis condições de luta, melhores dias foram alcançados e os mineiros e afins viram minimamente reconhecida a sua situação, com a criação do subsidio de doença profissional, mais conhecido pelo subsido do pó, que vinha amenizar até certo ponto a sua situação, uma vez que o mesmo permitia, em parte, comprar medicamentos para combater a doença contraída no exercicio da profissão.
Minimamente, porque a uma grande parte dos tabalhadores foi-lhe atribuida uma percentagem de 10, 15, 20 e 30 por cento de incapacidade por causa do «pó», quando, a olho nu, toda a gente reconhece que a percentagem teria de ser manifestamente superior.
 
 
 
Vitimas pela segunda vez
 
 
À medida que o 25 de Abril de 1974 fica cada vez mais longe e quando menos se poderia esperar, porque quase todos os dias, se anunciam indemnizações de sacos de dinheiro aos administradores de grandes empresas, os trabalhadores do sector da indústria mineira da nossa terra, cada vez mais idosos e também por isso mais precisados, porque a doença se faz mais sentir e é mais necessário combatê-la, estão a ser violentamente castigados, ao verem-lhes ser cortadas as reformas já de si miseráveis, com o argumento de já terem o subsidio do «pó».
Estão em causa cortes a reformas de 345 euros, que passaram para 280 euros, ou seja, de 69 para 56 contos. Uma vergonha!
 
Por tão flagrante injustiça, contrária ao espírito do 25 de Abril, a Assembleia de Freguesia de Campo, reunida em sessão ordinária, delibera:
 
 
Manifestar o repúdio por tal situação e apelar ao Governo, através do Ministério do Trabalho e da Segurança Social, que rectifique tamanha injustiça através dos meios legais ao seu dispôr e que anule os cortes nas reformas atrás descritos. E ainda que sejam actualizados os vencimentos até aqui cortados.
 
A enviar ao Primeiro-Ministro, Presidente da República, Ministério do Trabalho e da Segurança Social, Provedor de Justiça e partidos com assento na Assembleia da República, com pedido de publicação no Jornal de Noticias e orgãos de imprensa do concelho.
 
Campo, 30 de Junho de 2008
 
A CDU
 
A moção foi aprovada por maioria, com a abstenção de um eleito do PS.