05
Jun 18

Requerimento do  Grupo Parlamentar do PCP.

Conheça aqui o conteúdo.

.: cduvalongo às 17:28

02
Jun 18

No mandato anterior, aprovamos a expropriação do Campo de Sonhos e na altura discordámos frontalmente da opção anteriormente tomada pelo PSD de alienação do campo dos Montes da Costa - equipamento indispensável em Ermesinde.

Mas, hoje, o que esta a ser proposto pela CM é a substituição de deposição por caução por bens imóveis, para fazer face a uma decisão final do processo judicial em linha com a presente no acórdão dos senhores árbitros.

Apesar de compreendermos que não é do interesse imediato da CM ter “parados” 1 milhão de euros, não conseguimos ter garantias que, se a decisão final do processo judicial for a mesma do acórdão, a CM possa pagar o valor da indemnização através da venda desses bens imóveis e portanto iremos optar por nos abster.

 

Valongo, 28 de maio de 2018

A CDU – Coligação Democrática Unitária / Valongo

 

.: cduvalongo às 09:18

Na reunião de representantes, foi proposto a integração de um elemento do Grupo Municipal do BE na Comissão de Avaliação do Contrato de Arrendamento Apoiado. Esta proposta foi aceite por todos os representantes, à exceção do PS que apresentou uma outra proposta. Após ter sido confrontando pelo facto de usar a maioria absoluta para obter para si todos os lugares disponíveis, começando pela própria mesa da AM ou até pelo primeiro executivo monocolor da Junta de Ermesinde, o representante do grupo municipal ficou de avaliar melhor a sua proposta.

Mas, no passado dia 22 de maio, através de um email, o Grupo Municipal do Partido Socialista decidiu manter a proposta do membro Agostinho Rodrigues Silvestre para a Comissão de Avaliação do Arrendamento.

Por considerarmos que a opção de uniformização que o PS tem tomado limita a discussão de diferentes pontos de vista e a obtenção de melhores soluções para os problemas do concelho, votaremos contra a nomeação do representante apresentado pelo PS.

 

Valongo, 28 de maio de 2018

A CDU – Coligação Democrática Unitária / Valongo

.: cduvalongo às 09:17

11
Mai 18

Assinalando os 200 anos do nascimento de Karl Marx, a Comissão de Freguesia de Ermesinde do PCP promove dia 12 de Maio, às 21 horas, no Centro de Trabalho do PCP, R. Almeida Garrett, 165, Ermesinde,

 
Palestra e debate sobre Marx, a juventude, os amigos, a sua vida e obra
 
Com a participação de Manuel Rodrigues, director do Avante!
 
Entrada livre
 
Participa!
.: cduvalongo às 17:17

A primeira versão da última proposta de Revisão Orçamental de 2017 teve, como na altura foi conhecido, o voto contra da CDU.

Depois do voto contra da CDU, pelas posições tomadas pelo Presidente da Câmara, ficou logo a saber-se de que se tratou de um golpe de baixa política de José Manuel Ribeiro/PS, já que no dia seguinte era distribuído em Alfena um comunicado do PS a acusar a CDU de o não deixar governar.

Só depois de o PS lançar o comunicado e de recusar todas as propostas de procura de um entendimento, (mesmo as que foram sugeridas pelos seus colegas vereadores do PS) é que veio à procura da CDU para conversar e fazer um acordo.

A CDU, que nunca se recusou à discussão na busca de soluções, desde logo se disponibilizou para discutir com o PS na busca de uma solução para uma Revisão Orçamental que respeitasse a sua opinião, uma vez que o então Vereador da CDU também tinha sido eleito como o foi José Manuel Ribeiro.

E não foi difícil chegar a um acordo que respeitasse ambas as partes.

Entre várias questões, a CDU propôs a inclusão de uma verba de 100 mil Euros para que fosse iniciado o processo de construção de um novo edifício para a Junta de Freguesia de Alfena, proposta que foi aceite pelo Presidente da Câmara e, por isso mesmo, a CDU, como de costume, princípio e tradição, respeitou o compromisso, cumprindo com o que acordou com José Manuel Ribeiro e o PS, viabilizando a Revisão Orçamental em causa.

A verba de 100 mil Euros do Orçamento de 2017 não foi gasta e, por isso, deveria transitar para o ano seguinte, mas não apareceu no Orçamento de 2018.

Questionado na Assembleia Municipal sobre o desaparecimento de tal verba, José Manuel Ribeiro deu uma resposta que deixa ficar muitas preocupações e define com rigor as suas opções políticas de fuga para a frente.

Disse o Presidente da Câmara que apenas incluiu em 2017 aquela verba para depois a retirar em 2018, porque tinha cedido à chantagem da CDU.

Aqui fica a resposta de quem se afirma coerente, firme, respeitador de compromissos com a população e que tantas vezes afirma que não rasga acordos, nem cede a chantagens.

Esta resposta no presente, deve ser tida em conta em futuros entendimentos. Seja com quem quer que seja, a palavra do Presidente da Câmara de Valongo vale o que vale e, por atitudes como esta, fica provado de que não vale nada, porque é um Presidente sem palavra e que não cumpre com os compromissos com a população.

 

 

Valongo, 10 de maio de 2018

A CDU – Coligação Democrática Unitária / Valongo

.: cduvalongo às 08:34

09
Mai 18

Para que a última Revisão Orçamental de 2017 tivesse o acordo da CDU, entre várias outras questões, a CDU em reunião com o Presidente da Câmara, colocou como condição a inclusão de uma verba de 100.000 Euros, para início de procedimentos relativos à construção de um novo edifício para a Junta de Freguesia de Alfena.

O Presidente da Câmara aceitou este compromisso, incluindo nessa Revisão Orçamental a referida verba de 100.000 Euros.

No Orçamento da Câmara para 2018, não consta a referida verba de 100.000 Euros, que deveria ter transitado do exercício de 2017.

A pergunta feita ao Presidente da Câmara na discussão sobre o não aparecimento da verba de 100.000 Euros destinada a um novo edifício para a Junta de Freguesia de Alfena, o Presidente respondeu que não há processo nenhum de terreno.

A questão que se coloca é a seguinte: Se não há processo nenhum de terreno para sustentar tal verba no Orçamento para 2018, significa que a inclusão de uma verba de 100.00 Euros destinada a um novo edifico da Junta de Freguesia de Alfena na Última Revisão Orçamental de 2017, violou todas as regras a que o município se sente obrigado, porque foi uma verba incluída numa rubrica onde não existia processo para tal.

Face a esta grande contradição do Sr Presidente da Câmara e para um cabal esclarecimento da situação, requeremos:

Que nos seja esclarecido por escrito, o porquê da inscrição de uma verba de 100.000 Euros na última revisão Orçamental de 2017; inscrição de verba essa, que o Sr Presidente da Câmara com as suas explicações em 2018, deixa no ar a suspeição de que teria sido ilegal.

 

Os eleitos da CDU na Assembleia Municipal

.: cduvalongo às 08:50

08
Mai 18

O Estádio de Campo recebeu nos últimos tempos obras de beneficiação.

Mais recentemente e já no ano de 2018, foi construída parcialmente numa das laterais, (ao longo de cerca de metade do campo) uma cobertura destinada a melhorar a comodidade dos espectadores, iniciativa recomendada pela CDU, para o Plano de Actividades de 2018, da Junta de Freguesia da União de Freguesias de Campo e Sobrado.

Para um melhor acompanhamento dos investimentos feitos e a fazer, requeremos:

Que nos seja informado a quem coube o investimento financeiro dessa obra, uma vez que o Estádio é propriedade da Câmara e da Junta de Freguesia, em partes iguais.

 

Os eleitos da CDU na Assembleia Municipal

.: cduvalongo às 16:47

Em 2017 foi afectado um valor para a realização das obras na Escola Secundária de Ermesinde (ESE).

Uma vez que nenhuma verba estava salvaguardada para a Escola Básica Vallis Longus, do valor anunciado de 4 milhões de euros, foi por proposto pela CDU, retirar a esse montante 100 mil euros para a abertura da rubrica que permitira o início do projeto de requalificação da Escola.

Por tal motivo, desde então, deixou de existir justificação para poder apelar ao espírito da solidariedade.

A presença recente do Sr. Ministro da Educação em Ermesinde deu origem a uma visita à ESE.

Independentemente da forma de como decorreu tal visita e a da responsabilidade que deva ser assumida por quem expôs o Sr. Ministro a situações, no mínimo embaraçosas, perguntamos:

  • Qual o valor retirado do orçamento inicial para as obras na ESE?
  • Quais as obras projectadas e não cumpridas na ESE?
  • Quais as alterações verificadas ao projeto inicial?
  • Qual a participação dos responsáveis escolares da ESE na elaboração do projeto e na execução da obra?
  • Qual a justificação da visita relâmpago e atribulada à ESE do Sr. Ministro (com todo o direito naturalmente)?
  • Quais as perspectivas de indicação de mais valor (euros) para a continuidade das meias obras atuais, que, segundo ainda ontem foi indicado na AF de Ermesinde, somente apalavrou possíveis verbas do 2020?

 

Os eleitos da CDU na Assembleia Municipal

 

.: cduvalongo às 08:20

07
Mai 18

Confrontados com a proposta da segunda alteração ao mapa de pessoal de 2018, constatamos que afinal é possível à autarquia contratar e criar novos postos de trabalho, ao contrário do que vem sido afirmado ao longo dos últimos anos.

No entanto, questionamo-nos sobre quais as premissas em que se sustenta esta nova alteração ao mapa de pessoal no espaço de dois meses, pelo que esperamos ver respondidas as seguintes questões:

1) a criação de um posto de trabalho de Jurista e de oito postos de trabalho na carreira de Assistente Técnico a afetar também à área jurídica traduz-se na cessação do contrato de prestação de serviços com o Sr. Dr. Ricardo Bexiga?

2) A criação de postos de trabalho na carreira de assistente operacional a afetar à área de recursos escolares traduz-se na integração de pessoal que realiza Contratos de Emprego Inserção nas escolas?

3) Há nesta proposta alguma perspetiva futura de remunicipalização gradual das áreas privatizadas?

Será o esclarecimento das questões agora colocadas que ditará o modo como a CDU votará esta segunda proposta de alteração ao mapa de pessoal de 2018.

 

Valongo, 27 de abril de 2018

A CDU – Coligação Democrática Unitária / Valongo

 

As respostas:

1º questão - A resposta foi... Não!

2º questão - Sim. [Vamos estar atentos, para ver se é concretizado]

3º questão - Não

.: cduvalongo às 19:23

Recentemente foram abertas inscrições para a participação no Mercado Oitocentista que se realizará de 30 de maio a 3 de junho.

Damos desde já os parabéns à Câmara Municipal pela dinamização e divulgação dos valores do Concelho de Valongo. Lembramos que, no anterior mandato, recebeu o apoio da CDU (através do nosso vereador Adriano Ribeiro) para que tal iniciativa fosse possível. E se damos os parabéns à Câmara Municipal pela aposta, gostaríamos de colocar algumas questões;

Numa comunicação do GDR Retorta é anunciada a sua exclusão do próximo Mercado Oitocentista. Nesta, a associação, entre outros aspetos, refere: a sua total disponibilidade, desde a primeira hora, em colaborar com a CMV; os investimentos realizados para uma presença digna; o envolvimento dos associados; a expectativa de obtenção de fundos para as obras assumidas nas suas instalações.

Perante a possibilidade de a CMV ter explicações razoáveis e justas para este tratamento de exclusão, perguntamos:

Quantas candidaturas de associações/coletividades foram apresentadas?

Quais os incentivos dados às entidades, empresas, coletividades associativas, e outros, sediados em Valongo, que colaboraram e apostaram neste caminho oitocentista?

É sabido que a CMV investiu muito neste Mercado. Certo? E ao investir, com certeza pensou na continuidade futura de uma iniciativa desta envergadura. E, provavelmente, a CMV sabe que para o sucesso desta iniciativa era necessário que mais alguém apostasse nesse futuro: criando estruturas, definindo meios, mobilizando várias colaborações, neste caso, desinteressadas,  porque se trata de gente que  executa trabalho voluntário com um fim destinado. E conhecido de todos. Certo?

Assim, qual foi a dificuldade em conseguir um “espacinho” para instalar uma outra Associação, ou outra e outra? Qual a dificuldade? O que é que ficaria a perder este Mercado Oitocentista com o envolvimento de mais Associações?

Defendendo eu próprio, por razões conhecidas do meu envolvimento associativo, uma atitude de rotatividade na participação, no que a este tipo de envolvimentos diz respeito, e à participação das Coletividades em particular, gostaria de saber, qual a sensibilidade, já nem pergunto razões,  que o Sr. Presidente da Câmara teve para com a ADR Retorta ao exclui-la pura e simplesmente de participar?

Não creio que a maioria absoluta dê para tudo. Dar até dá, mas fazemos votos que tal não sirva para a exclusão e uma atitude de divisão do Movimento Popular Associativo no nosso concelho.

Não ganha nada o Concelho nem o Movimento Associativo Popular.

Senhor Presidente da Câmara: Quem tem medo do futuro não se mete em projectos grandes.

Pense bem no caminho por onde vai.

 

Os eleitos da CDU na Assembleia Municipal

.: cduvalongo às 16:44

ELEITOS
Assembleia Municipal
Campo & Sobrado
Ermesinde
Valongo
pesquisar neste blog
 
Junho 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30