03
Jun 17

Fomos surpreendidos no dia 1 de Junho, com um despacho do Presidente da Junta de Ermesinde o qual deliberava a atribuição de mais um meio tempo (leia-se mais um salário) a um membro do executivo. A surpresa é tanta, pois, como se sabe, estamos a quatro meses de fim de mandato e já em campanha eleitoral.

Diz a lei das autarquias locais que o presidente da junta pode exercer o mandato a tempo inteiro com direito a um vencimento. Diz também a lei que o presidente, por sua deliberação, pode atribuir mais dois meios tempos a outros membros do executivo. Tendo esta deliberação de ter cabimento orçamental, ou seja, 12% das receitas orçadas.

No entanto, a CDU e os Ermesindenses o que querem ver respondido é:

  • O porquê de, agora, a quatro meses das eleições autárquicas, o presidente da junta Luís Ramalho necessita de usar mais de 21 mil euros do orçamento para pagar salários a membros do executivo?
  • Quais as funções e tarefas que estes elementos vão executar?
  • Só agora, e no fim do mandato, é que o presidente da junta reconhece que não consegue exercer na plenitude o seu mandato e recorre à contratação de mais uma “assessora”?

Não discutimos para já a legalidade do ato, mas consideramos que esta deliberação é injusta e imoral. Os dinheiros de uma junta de freguesia têm que ter outras prioridades. As necessidades da cidade e dos seus habitantes são outras.
Exigimos mais respeito pela utilização dos dinheiros públicos.

 
 
.: cduvalongo às 09:45

Junho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21

26
27
28
29
30


pesquisar neste blog